Sobre Emergências

Uma reflexão acerca da importância do evento para as práticas cotidianas realizadas na Arena Carioca Dicró

Por Isabela Souza*

Fui com a equipe da Arena Dicró acompanhar o primeiro debate do Emergências – evento realizado pelo Ministério da Cultura e que propõe um olhar sobre a complexidade do mundo contemporâneo a partir da cultura. A decisão de irmos todos juntos para mesa “Cultura e cidade: espaço público e ativismo” foi uma compreensão, de antemão, que nosso trabalho cotidiano não pode fluir descolado de movimentos importantes no campo da cultura e da sociedade no Brasil.

 

Esse evento, ao meu ver, materializa uma expectativa de reunir em debates, rodas, percursos e apresentações culturais, uma análise nada descompromissada da conjuntura atual brasileira. É preciso estar atento e o Emergências oportuniza, cria brechas nas cidades correrias (parafraseando os residentes em teatro da Arena Dicró), para olharmos ao redor – e naquela mesa e plateia percebi representações da América Latina e Europa – e constatar quantos investimentos têm sido realizados em movimentos de resistência.

Há muita gente insistindo em afirmar valores de uso em tempos em que a cidade é tratada por seus valores de troca. Fiquei emocionada e arrepiada algumas vezes, mas especialmente na fala da Ermínia Maricato – professora universitária, pesquisadora acadêmica e ativista política que também ocupou os cargos de Secretária de Habitação e Desenvolvimento Urbano (1989-1992), na Prefeitura de São Paulo, e Secretária Executiva do Ministério das Cidades (2003- 2005), no Governo Federal, cuja proposta de criação se deu sob sua coordenação.

 

Exaltada, a urbanista nos provocou ao dizer que desenvolveu uma esperança incrível nessa geração que tem protagonizado as principais lutas do país. Na fala dela, emergiu em mim o sentido do trabalho cotidiano da Arena e o quanto estamos atrelados a essa disputa que não descansa. Porque se o capital não descansa, a cultura também não.

 

Saí de lá meio embriagada por tantos bons estímulos e inconformada com o balde de provocações. Fui embora sentindo que estou no lugar certo porque de onde estamos criamos emergências imprescindíveis à disputa.

 

*Mestre em Planejamento Urbano de Regional no IPPUR/UFRJ e Coordenadora Executiva da Arena Carioca Dicró

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *